“Sinto vergonha até hoje”, diz Lady Gaga sobre agressão sexual

O prêmio à Lady Gaga foi mais que merecido: a cantora tem sido elogiada por sua atuação no filme Nasce Uma Estrela, em que interpreta a protagonista Ally ao lado de Bradley Cooper.

O longa chegou aos cinemas brasileiros em 11 de outubro e já tem causado burburinho por ser o primeiro filme de destaque da cantora. Ao fazer o discurso da noite, que reuniu um time poderoso de mulheres influentes, a Gaga, que usou um terno oversized em vez de um vestido de gala, chorou ao fazer um discurso empoderado sobre abuso sexual e saúde mental, diz o Terra.

Em tempos onde as histórias de assédio sexual em Hollywood vem sendo relatados por famosas, nada mais relevante do que levar essas questões tão atuais. “Ninguém me guiou ou me estendeu a mão para me levar a um lugar que eu sentisse que houve justiça. Esses homens se esconderam porque eles estavam com medo de perder seus poderes. E por causa disso, eu comecei a me esconder”, desabafou.

Lady Gaga diz que sofreu abuso aos 19 anos

Aos 32 anos e com uma carreira de prestígio, principalmente agora, nas telas de cinema, Lady Gaga aproveitou o prêmio para contar que foi agredida quando tinha 19 anos. “Depois que fui agredida quando tinha 19 anos, mudei para sempre. Parte de mim desligou por muitos anos. Eu não contei a ninguém. Eu mesmo evitei. E sinto vergonha ainda hoje em pé na frente de vocês. Sinto vergonha pelo que aconteceu comigo. Ainda tenho dias em que sinto que foi minha culpa. Depois que eu compartilhei o que aconteceu comigo com homens muito poderosos nesta indústria, ninguém me ajudou. Ninguém ofereceu minha orientação ou uma ajuda para me levar a um lugar onde eu sentisse justiça, eles nem mesmo me apontaram na direção da assistência de saúde mental da qual eu precisava desesperadamente”, relatou.

Assédio foi uma das causas da fibromialgia de Lady Gaga

Lady Gaga já havia relatado que sofria de Estresse Pós-Traumático (TEPT) e Fibromialgia, doença que gera dores fortes e outros sintomas que a impediram de participar do Rock in Rio em 2017. Na cerimônia da Elle, a cantora relatou que o assédio e a omissão fizeram com que a doença se desenvolvesse. “Eu me escondi por um longo tempo até que comecei a sentir dor física. Então eu fui diagnosticada com TEPT e Fibromialgia, que muitas pessoas não acham que é real, mas eu vou te dizer o que é. É uma síndrome que é essencialmente um ciclone de dor induzida por estresse. Depressão, ansiedade, distúrbios alimentares, trauma. Esses são apenas alguns exemplos das forças que podem levar a esse tornado de dor. Então, o que eu gostaria de dizer nesta sala de mulheres e homens poderosos, hoje, é trabalhar juntos para atrair o mundo para a bondade”, discursou.

16/10/2018