Caso das malas em que Geddel é réu entra em fase final

O ministro Edson Fachin, relator da operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), encaminhou na última 6ª feira (24.mai.2019) para revisão a ação penal contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB), seu irmão, o ex-deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA).

Trata-se do processo dos R$ 51 milhões encontrados em malas de dinheiro em 1 apartamento em Salvador (BA). Eis a íntegra do relatório encaminhado ao revisor, que será o ministro Celso de Mello.

“A presente Ação Penal encontra-se em condições para julgamento. Encaminhe-se os autos ao eminente Ministro Celso de Mello para fins de revisão”, decidiu Fachin, segundo o MSN.

A revisão é a última fase da instrução processual antes do julgamento, o qual a data ainda não foi definida.

Os irmãos Vieira Lima são réus no caso, juntamente com Job Ribeiro Brandão, funcionário da família Vieira Lima, e o Luiz Fernando Machado da Costa Filho, executivo da construtora Cosbat, pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Ao receber o documento, Celso de Mello ficará responsável por preparar 1 relatório final no qual dirá se o caso está pronto para ser julgado.

Geddel Vieira Lima foi ministro da Secretaria de Governo de maio a novembro de 2016, durante a gestão do ex-presidente Michel Temer. O ex-ministro está preso preventivamente no presídio da Papuda, em Brasília, desde 3 de julho de 2017.

O CASO

A denúncia foi apresentada pela PGR (Procuradoria Geral da República) em 4 de dezembro de 2017 e investiga a apreensão feita pela PF (Polícia Federal) de R$ 51 milhões em 1 apartamento em Salvador (BA). Os valores apreendidos foram depositados em conta judicial.

Segundo a PF, parte do dinheiro seria resultante de 1 esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período de 2011 a 2013, quando Geddel era vice-presidente de Pessoa Jurídica da instituição.

28/05/2019